AL 1.1. Queda Livre: força gravítica e aceleração da gravidade



Determinar a aceleração da gravidade num movimento de queda livre e verificar se depende da massa dos corpos.

  • Medir tempos e determinar velocidades num movimento de queda.
  • Fundamentar o procedimento da determinação de uma velocidade com uma célula fotoelétrica.
  • Determinar a aceleração num movimento de queda (medição indireta), a partir da definição de aceleração média, e compará-la com o valor tabelado para a aceleração da gravidade.
  • Avaliar a exatidão do resultado e calcular o erro percentual, supondo uma queda livre.
  • Concluir que, na queda livre, corpos com massas diferentes experimentam a mesma aceleração.



AL 1.2. Forças nos movimentos retilíneos acelerado e uniforme



Identificar forças que atuam sobre um corpo, que se move em linha reta num plano horizontal, e investigar o seu movimento quando sujeito a uma resultante de forças não nula e nula.

  • Identificar as forças que atuam sobre um carrinho que se move num plano horizontal.
  • Medir intervalos de tempo e velocidades.
  • Construir um gráfico da velocidade em função do tempo, identificando tipos de movimento.
  • Concluir qual é o tipo de movimento do carrinho quando a resultante das forças que atuam sobre ele passa a ser nula.
  • Explicar, com base no gráfico velocidade-tempo, se os efeitos do atrito são ou não desprezáveis.
  • Confrontar os resultados experimentais com os pontos de vista históricos de Aristóteles, de Galileu e de Newton.

Relatório AL 1.2 (FQA11) – Forças nos movimentos retilíneos acelerado e uniforme



A.L 1.3. Movimento retilíneo uniformemente retardado: velocidade e deslocamento



Relacionar a velocidade e o deslocamento num movimento uniformemente retardado e determinar a aceleração e a resultante das forcas de atrito.

  • Justificar que o movimento do bloco que desliza sobre um plano horizontal, acabando por parar, é uniformemente retardado.
  • Obter a expressão que relaciona o quadrado da velocidade e o deslocamento de um corpo com movimento uniformemente variado a partir das equações da posição e da velocidade em função do tempo.
  • Concluir que num movimento uniformemente retardado, em que o corpo acaba por parar, o quadrado da velocidade é diretamente proporcional ao deslocamento, e interpretar o significado da constante de proporcionalidade.
  • Medir massas, comprimentos, tempos, distâncias e velocidades.
  • Construir o gráfico do quadrado da velocidade em função do deslocamento, determinar a equação da reta de regressão e calcular a aceleração do movimento.
  • Determinar a resultante das forças de atrito que atuam sobre o bloco a partir da Segunda Lei de Newton.

relatório al 1.3 (fqa11) -movimento uniformemente retardado, velocidade e deslocamento



AL 2.1 Características do som



Investigar características de um som (frequência, intensidade, comprimento de onda, timbre) a partir da observação de sinais elétricos resultantes da conversão de sinais sonoros.

  • Identificar sons puros e sons complexos.
  • Comparar amplitudes e períodos de sinais sinusoidais.
  • Comparar intensidades e frequências de sinais sonoros a partir da análise de sinais elétricos.
  • Medir períodos e calcular frequências dos sinais sonoros, compará-los com valores de referência e avaliar a sua exatidão.
  • Identificar limites de audição no espetro sonoro.
  • Medir comprimentos de onda de sons.



AL 2.2 Velocidade de propagação do som



Objetivo geral: Determinar a velocidade de propagação de um sinal sonoro.

  • Medir a velocidade do som no ar (medição indireta).
  • Comparar o valor obtido para a velocidade do som com o tabelado, avaliar a exatidão do resultado e calcular o erro percentual.



AL 3.1 Ondas: absorção, reflexão, refração e reflexão total



Objetivo geral: Investigar os fenómenos de absorção, reflexão, refração e reflexão total, determinar o índice de refração de um meio em relação ao ar e prever o ângulo crítico.

  • Avaliar a capacidade refletora e a transparência de diversos materiais quando neles se faz incidir luz e a diminuição da intensidade do feixe ou a mudança da direção do feixe de luz.
  • Medir ângulos de incidência e de reflexão, relacionando-os.
  • Medir ângulos de incidência e de refração.
  • Construir o gráfico do seno do ângulo de refração em função do seno do ângulo de
    incidência, determinar a equação da reta de ajuste e, a partir do seu declive, calcular o
    índice de refração do meio em relação ao ar.
  • Prever qual é o ângulo crítico de reflexão total entre o meio e o ar e verificar o fenómeno
    da reflexão total para ângulos de incidência superiores ao ângulo crítico, observando o que acontece à luz enviada para o interior de uma fibra ótica.
  • Identificar a transparência e o elevado valor do índice de refração como propriedades da fibra ótica que guiam a luz no seu interior.


AL 3.2 Comprimento de onda e difração



Objetivo geral: Investigar o fenómeno da difração e determinar o comprimento de onda da luz de um laser.

  • Identificar o fenómeno da difração a partir da observação das variações de forma da zona iluminada de um alvo com luz de um laser, relacionando-as com a dimensão da fenda por onde passa a luz.
  • Concluir que os pontos luminosos observados resultam da difração e aparecem mais espaçados se se aumentar o número de fendas por unidade de comprimento.
  • Determinar o comprimento de onda da luz do laser.
  • Justificar o uso de redes de difração em espetroscopia, por exemplo na identificação de elementos químicos, com base na dispersão da luz policromática que elas originam.

Sugestões: Ligar um laser e observar num alvo um ponto intensamente iluminado. Apontar o feixe perpendicularmente para uma fenda de abertura variável e, iniciando com a abertura máxima, investigar no alvo as variações na forma da zona iluminada quando se vai fechando a fenda. Investigar também o efeito de intercalar fendas múltiplas entre o feixe e o alvo, sucessivamente de número crescente.

Concluir que os pontos luminosos observados resultam da difração e aparecem mais espaçados com o aumento do número de fendas. Usando uma rede de difração de característica conhecida (300 a 600 linhas/mm), calcular a distância entre duas fendas consecutivas, d, e determinar o comprimento de onda da luz laser a partir da expressão nλ = d sin θ (sendo n a ordem do máximo e θ o ângulo entre a direção perpendicular à rede e a direção da linha que passa pelo ponto luminoso e pelo ponto de incidência do feixe na rede de difração). Os alunos devem ser alertados para os cuidados a ter com a luz laser. Pode também usar-se a rede de difração com luz policromática (luz branca) ou com luz LED (por exemplo com LED vermelho, verde e azul), evidenciando assim o fenómeno da difração e o seu uso em espetroscopia.

Anúncios